sábado, 18 de agosto de 2018

340 000 visitantes!


Estão de parabéns os escribas e os leitores do nosso blogue Faraó
 e Companhia, desde aqueles mais assíduos aos mais esporádicos,
porque o número de visitantes que acham deveras compensador 
e útil vir bisbilhotar as novidades já ultrapassou os 340 000.

O blogue já existe há oito anos e vai continuar! Parabéns!!!

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Como fazer uma múmia. A receita dos egípcios é agora revelada



© DR STEPHEN BUCKLEY/ UNIVERSITY OF YORK

Por David Mandim, in DN (16.08.2018)
«Exames feitos por ingleses e australianos a uma múmia permitiram a descoberta da antiga receita egípcia de embalsamamento e concluir que foi usada muito anos antes do que se pensava até aqui [...] Os principais passos da mumificação eram a remoção do cérebro e dos órgãos internos, a colocação do corpo num sal natural para ficar seco, o revestimento do corpo na receita de embalsamamento para matar bactérias, a envolvência do corpo em linho. "Foi a secagem e a receita de embalsamamento que foram fundamentais para a preservação", explica Buckley [...]»

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Egito: falta só uma semana



Falta apenas uma semana para o grupo da Faculdade de Letras
da Universidade de Lisboa partir para mais uma viagem ao Egito, 
integrando cerca de trinta elementos, desta vez para um programa
mais curto, contrastando com a visita de estudo nas férias pascais,
mas contando novamente com a eficácia das Novas Fronteiras.

Entretanto, tal como na anterior viagem da Páscoa, com catorze dias,
os guias habituais estão preparados e ansiosos para chegar ao Cairo
e iniciar mais um aliciante percurso histórico-cultural, que certamente 
será exitoso e caloroso (em todos os sentidos...), como tem sucedido
até hoje - e o guia Mustafa lá estará, também ansioso, à nossa espera.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

O nosso guia Mustafa




Em breve estaremos uma vez mais no Egito com o nosso guia Mustafa,
de uma inexcedível competência e serena eficácia na célere resolução
de vários problemas e situações inesperadas que com certa frequência
se deparam aos grupos que visitam o belo país do Nilo - mas ele lá está 
sempre atento e pronto para tudo resolver, e quem ganha são os viajantes.

Na segunda imagem Mustafa el-Ashabi acompanha as breves explicações
do habitual guia científico das visitas de estudo da Faculdade de Letras 
da Universidade de Lisboa, e na terceira imagem ele próprio recorda
como os antigos egípcios preparavam o papiro para nele escreverem
utilizando vários tipos de escrita: hieroglífica, hierática e demótica, 
aos quais se deve juntar o copta com a introdução do cristianismo.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Ainda de férias, com o Egito



Mais duas fotos atestando que o Egito continua presente nas férias,
neste caso adornando os polos do veraneante, mas ao mesmo tempo
identificando o proprietário com o nome bem bordado nas cartelas:
e o nome lê-se bem, lá está escrito Araújo, num trabalho meritório
da especializada «Casa Mustafa», que nas nossas viagens ao Egito
satisfaz os pedidos dos viajantes que pedem o nome hieroglífico.

Férias repartidas com o Egito



Depois da curta estadia em Braga foi o regresso à Praia das Maçãs,
e depois para Azeitão, onde a bonita camisola verde com a referência 
ao IV Congresso Ibérico de Egiptologia continuou a ser bem utilizada, 
tal como em anos anteriores, recordando o feliz evento egiptológico
que decorreu com grande sucesso em Lisboa, em setembro de 2010.

Egito: faltam duas semanas



Faltam apenas duas semanas para começar mais uma visita de estudo
ao Egito, concebida pelo Instituto Oriental da Faculdade de Letras
da Universidade de Lisboa e organizada com o habitual empenho
e experiência da agência Novas Fronteiras, da guia Teresa Neves.

Nessa altura, entre 21 e 28 de agosto, com uma calorosa e agradável
temperatura (estamos agora mesmo em Portugal a treinar para isso...),
visitaremos o magnífico templo de Ísis, em Filae, ou ilha de Agilkia,
como a primeira imagem recorda num ano anterior, e o Museu Egípcio
do Cairo (agora em mudança), cuja entrada se vê na segunda imagem.

sábado, 4 de agosto de 2018

Sarcófagos egípcios em colóquio


Saiu recentemente o volume contendo as várias intervenções 
de especialistas que participaram no colóquio que se realizou
 em julho de 2014, no British Museum, subordinado ao tema
«Ancient Egyptian Coffins: craft traditions and functionality».

Um dos participantes no evento foi o egiptólogo Rogério Sousa,
cuja intervenção consta do volume, editado por John H. Taylor 
e Marie Vandenbeusch, com o título de «Style and composition:
a genealogical perspective on coffin decoration (21st Dynasty)».

Meios de transporte no Egito





Não faltam meios de transporte no Egito, permitindo que os viajantes
disponham de várias modalidades em função dos locais e distâncias,
desde os confortáveis autocarros com ar condicionado (um deles irá
com o grupo até Abu Simbel, pelo deserto), e o avião (utilizado entre
o Cairo e Assuão), mas quem quiser tem balões (com direito a receber
no fim um vistoso diploma de balonista), e também camelos para fruir
de momentos mais lúdicos e excitantes, como se vê na segunda imagem,
com professores e alunos, atestando a experiência da viagem de 2010.

E ainda há as tradicionais caleches, ou charretes, como a que figura 
na terceira foto, desde modelos mais rústicos (junto das pirâmides
de Guiza) aos mais «confortáveis» (como os de Edfu, já divulgados  
aqui em anteriores imagens), rematando com o incontornável barco
de cruzeiro (o da quarta imagem foi o nosso na viagem de 2012), 
os quais são autênticos hotéis flutuantes, de apreciável conforto,
que levam os viajantes até aos monumentos que irão visitar.

terça-feira, 31 de julho de 2018

Correio atrasado do Egito


Durante o agradável cruzeiro no lago Nasser, para visitar os singelos
monumentos da Núbia, há tempo para atividades de escriba diligente,
fazendo os nomes dos participantes em escrita hieroglífica inseridos
em artísticas cartelas faraónicas já pintadas nos papiros adquiridos
previamente no Cairo ou em Lucsor - e parece que ficam melhores
que os hieróglifos feitos pelos vendedores nas lojas de papiros.

É isso que o atarefado escriba e guia do grupo está a fazer na imagem, 
mas para aproveitar melhor o tempo a bordo os viajantes escrevem
os seus postais ilustrados para familiares e amigos, vendo-se na foto,
ao lado do papiro com a conhecida árvore de Beni Hassan, envelopes
com as moradas redigidas: um para o filho Miguel Araújo, outro para 
o Professor João Gouveia Monteiro (da Universidade de Coimbra),
para o Professor Gonçalves Guimarães (da Confraria Queirosiana).
e ainda para o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

Acontece que três meses depois os postais, escritos no lago Nasser
 e enviados de Assuão, ainda não chegaram, o que é surpreendente,
porque os oito postais enviados do Cairo chegaram a Portugal...
um mês depois, é verdade, mas chegaram, ao contrário daqueles
que figuram na imagem, demonstrando claramente que no Egito
faraónico a entrega das mensagens era muito mais rápida!

Ainda os gatos egípcios



Depois de aqui terem sido evocados dois gatos que já não existem,
o Ramsés e o Smokey, eis agora mais dois simpáticos felinos, 
o Seti (de pelo tigrado) e a Tut (de pelo cinzento), que também
já não existem fisicamente mas que se mantêm vivos na memória.

A última noite no Cairo





A última noite no Cairo foi passada no requintado Hotel Mena House
Marriott, mesmo junto das pirâmides de Guiza, que bem se avistam 
desde os jardins do hotel, em cuja ala mais moderna e confortável,
que se vê na última imagem, se instalaram os felizes participantes
na inesquecível visita de estudo do grupo da Faculdade de Letras 
 da Universidade de Lisboa, na viagem da Páscoa de 2018.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Mais bonecos à espera no Egito



Complementando a série já difundida, aqui se deixam mais bonecos
que são feitos pelos empregados dos quartos do barco do cruzeiro,
para que os viajantes se surpreendam (ou se assustem...) quando,
depois das programadas visitas histórico-culturais do dia, voltam 
ao quarto para o merecido repouso ou para a restauradora banhoca.

Na primeira imagem aparece um elefante mascarado de turista,
usando os óculos de sol, o chapéu e outros adereços do viajante,
enquanto na segunda imagem se vê uma «composição artística»
feita com um airoso barquinho de pétalas vogando nas ondinhas 
que as toalhas e as fronhas propiciam aos improvisados artistas.

Egypt Exploration Society



Decorreu recentemente um curso breve promovido pela conhecida
instituição britânica Egypt Exploration Society, dirigida atualmente
por Cédric Gobeil, a qual ao longo dos anos, desde a sua fundação,
tem dado uma valiosa contribuição para os estudos egiptológicos,
a nível teórico e prático, com as escavações que dinamiza no Egito.

O curso, com o título de «Egyptian Archaeology Skills School», 
foi frequentado por jovens egiptólogos oriundos de vários países,
que posaram para a fotografia a atestar a sua presença no evento,
estando a Daniela Martins, mestre pela Faculdade de Letras
da Universidade de Lisboa, mesmo ao centro da primeira foto, 
juntando-se o grupo de novo em baixo, na Trafalgar Square.

quinta-feira, 26 de julho de 2018

Viagem ao Egito: está quase!



Realizou-se ontem uma sessão preparatória reunindo os viajantes
que no próximo dia 21 de agosto irão partir para o Egito, em mais
uma visita de estudo concebida pelo Instituto Oriental da Faculdade
de Letras da Universidade de Lisboa e levada a efeito pela agência
Novas Fronteiras, da guia Teresa Neves, que conhece bem o país.

Mantendo uma tradição com vinte anos, os nossos grupos reúnem
na Faculdade antes da partida, e assim ficam a conhecer os locais 
que irão percorrer ao longo da viagem, que desta vez é mais curta
que a habitual viagem da Páscoa, mas fica mais barata e acessível,
com a garantia de que o essencial do país do Nilo será visitado.

Saudades dos gatos



A primeira imagem tem dez anos e mostra o Ramsés posando
languidamente junto de uma estatueta de Bastet, a divina gata,
comprada em Alexandria, na viagem ao Egito feita em 2008.

A segunda imagem, com vinte anos, recorda um gato cinzento 
chamado Smokey, que viveu mais de dezassete anos (um belo
tempo de vida para um gato), a ser alimentado pela «dona».

segunda-feira, 23 de julho de 2018

A despedida do Egito





De acordo com a tradição, também o grupo da Faculdade de Letras
da Universidade de Lisboa teve o seu jantar de despedida do Egito,
para culminar uma experiência inolvidável na viagem ao país do Nilo
realizada na Páscoa de 2018, o qual teve lugar num restaurante típico
da zona de Khan el-Khalili, cujo bazar foi visitado antes do repasto.

Os monumentos de Kalabcha




Rematando a evocação sobre a visita de estudo ao Egito feita na Páscoa
pelo grupo da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, só falta
completar o programa do décimo terceiro dia de viagem com a visita
ao templo de Kalabcha, dedicado ao deus núbio Mandulis, e removido
do seu sítio original (situado a 40 quilómetros mais a sul), pela subida
das águas do lago Nasser, numa operação financiada pela Alemanha.

A ida à ilha de Kalabcha foi proveitosa porque, além do grande templo
de Mandulis (na primeira imagem), os visitantes puderam ainda estar
no pequeno e muito destruído pavilhão de Kertassi e no templo rupestre
de Beit el-Uali (nas outras imagens), o qual é antecedido por um pátio
em cujas paredes se apreciam cenas relativas às vitórias de Ramsés II
sobre os tradicionais inimigos do Egito: Asiáticos, Líbios e Núbios.

sábado, 21 de julho de 2018

Egito: falta apenas um mês


Falta precisamente um mês para se iniciar mais uma viagem ao Egito,
com o apoio científico do Instituto Oriental da Faculdade de Letras
da Universidade de Lisboa e a organização logística da agência
de viagens Novas Fronteiras, da experiente guia Teresa Neves.

Hieróglifos de Verão




Decorreu recentemente, com sucesso, a 5.ª edição do «Verão na ULisboa», 
um evento onde a Faculdade de Letras participou mostrando as suas várias
e atrativas valências, numa boa iniciativa que anualmente se vem repetindo
com a participação dos diversos departamentos e centros de investigação
da faculdade, contando com o empenhamento e dedicação dos docentes.

Este ano a iniciativa despertou o interesse de cerca de três dezenas de alunos
do ensino básico e do ensino secundário, entre os 14 e os 16 anos de idade, 
que quiseram conhecer por dentro os múltiplos recursos de uma faculdade 
bem situada em Lisboa, e que num futuro próximo poderão vir a frequentar
escolhendo um dos muitos cursos oferecidos por uma escola de excelência.

Uma das atividades propostas para os jovens visitantes, que mostraram
interesse em conhecer melhor alguns aspetos relacionados com o ensino 
das Humanidades, foi uma sessão sobre a escrita hieroglífica egípcia,
tendo a primeira imagem registado esse momento agradável e lúdico
fruído pelos estudantes, alguns dos quais se veem na segunda imagem, 
enquanto a terceira lembra a ida ao campo no âmbito da Arqueologia.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

A barragem de Assuão




O décimo terceiro dia da fruitiva viagem ao Egito do grupo da Faculdade 
de Letras da Universidade de Lisboa começou com a visita à barragem
de Assuão, inaugurada em 1970 por Gamal Abdel Nasser, dando origem 
ao grande lago artificial que se estende para sul, entrando pelo Sudão, 
e que ficou com o nome do presidente egípcio: o lago Nasser.

A primeira imagem mostra o rio Nilo correndo para norte, para Assuão,
e na segunda já estão junto do muro da barragem alguns dos membros
do grupo de viajantes, provando que estiveram lá no dia 9 de abril,
enquanto na terceira foto se vê o enorme monumento erigido no local 
para testemunhar a perene amizade entre o Egito e a União Soviética, 
o país que na altura apoiou financeira e tecnicamente o projeto.

terça-feira, 17 de julho de 2018

Ainda a bandeira portuguesa no Egito



Complementando as imagens antes publicadas sobre este tema, aqui estão
mais duas para recordar que os grupos de viajantes da Faculdade de Letras 
da Universidade de Lisboa costumam exibir a bandeira nacional em certos
monumentos visitados, como se vê nos dois testemunhos tirados na Núbia:
em cima, com o guia Mustafa junto do templo de Dakka, e em baixo os três
guias em frente do pequeno pavilhão de Kertassi, na ilha de Kalabcha.