quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Ammut


Começou hoje na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
mais um curso livre promovido pelo Centro de História com o tema
«Monstros», inserido na História do Maravilhoso e do Fantástico.

A primeira sessão deste interessante curso foi dedicada a uma
criatura monstruosa, chamada Ammut, «A Devoradora de Corações»,
também conhecida por «A Fera do Ocidente», cuja terrível função era
deglutir os corações impuros e indignos de irem para o paraíso.

Lá está ela na imagem de um papiro com a cena do julgamento final,
em que o coração do defunto era colocado no prato de uma balança 
e no outro estava a leve pena da deusa Maet, ilustrando desta forma
o capítulo 125 do «Livro dos Mortos», a chamada «confissão negativa».

A inquietante figura monstruosa reunia em si as três mais perigosas feras 
do antigo Egito, e por isso ela tinha cabeça de crocodilo, a parte da frente 
era de leão ou pantera, e a traseira era de hipopótamo.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Um museu vazio


Esta imagem mostra o Museu Egípcio do Cairo surpreendentemente
sem ninguém, o que é de facto invulgar num local sempre com
grandes multidões dentro e fora do imenso edifício, situado num
dos topos da famosa Praça Tahrir, o coração do Cairo.

Como a comunicação social tem mostrado, rarearam as manifestações
 ruidosas e violentas de centenas de milhares de pessoas na Praça Tahrir
e os blindados do exército continuam a proteger o Museu.

A verdade é que desde há umas duas semanas que não chegam notícias
de acontecimentos trágicos no Egito, o que também dá para pensar:
as forças armadas conseguiram impor a paz, ou esta calmaria
esconde alguma coisa em preparação?...

Em todo o caso, a visita de estudo ao Egito, na Páscoa de 2014,
não está totalmente posta de lado!

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

O Egito no Caramulo (3)



Sim, é verdade!!!


O tema desta postagem é uma cópia descarada da anterior
feita pelo nosso escriba Fernando Azul, que em boa hora
regressou das suas férias (nas Bahamas?) para evocar
um velho provérbio egípcio acerca de uma das mais antigas
e saborosas bebidas da humanidade: a cerveja.

Durante as recentes férias no Caramulo pude testemunhar,
no decurso das agradáveis duas semanas em que lá estive,
a virtuosa e fresquíssima atualidade deste provérbio egípcio
bebendo à saúde dos escribas e dos leitores deste blogue.

Seneb!!! - que é como quem diz: Saúde!!!



quinta-feira, 12 de setembro de 2013

"A boca de um homem perfeitamente contente está repleta de cerveja."

    O título desta postagem é um provérbio datado c. de 2200 a.C. (fins do Império Antigo) e concerne, obviamente, a uma das bebidas mais antigas da Humanidade: a cerveja. Não só era bebida para lazer, mas também era prescrita para curar doenças e usada como oferta nos rituais aos deuses. Era consumida por toda a sociedade egípcia, incluindo a realeza. Existem diversas referências e representações da mesma em túmulos, o que atesta a sua importância até na vida além da morte. Nesta imagem abaixo, podemos observar como escreviam "cervejeiro" e "cerveja".

   Escavações em Guiza trouxeram à luz vestígios de padarias e cervejarias para a alimentação dos trabalhadores e não será descabido teorizar que os seus salários possivelmente consistiam não em moeda, mas pão e cerveja. O processo de fabrico era simples: após germinarem, os grãos de cevada eram esmagados, virando malte, o qual recebia mistura de farinha de pão e água e seguidamente era colocado no forno até estar no ponto. Finalmente era filtrado e armazenado em jarros para consumo.

   Na imagem seguinte, datada da XVIII dinastia, observa-se como era feito o consumo da cerveja: este mercenário sírio, ladeado pela esposa, sentada à sua frente, é auxiliado por um servo a usar o canudo como uma espécie de filtro para absorver o líquido, evitando assim o resíduo amargo na boca.


   O fabrico e consumo de cerveja perdurou durante toda a civilização faraónica, a qual, por sua vez, os transmitiu aos Gregos, estes aos Romanos e assim sucessivamente até hoje. Atualmente, a cerveja é mais fácil de produzir e mais agradável de consumir do que na era faraónica, tendo, contudo, perdido o seu estatuto de oferta sagrada ou de medicação prescrita para doenças. Todavia tal como descreve o provérbio já mencionado, podemos afirmar que a nível de lazer, ela não perdeu nenhuma da sua popularidade! 

Fonte(s): http://antigoegito.org/a-cerveja-no-antigo-egito/

terça-feira, 10 de setembro de 2013

O Egito no Caramulo (2)


Durante as recentes férias no Caramulo levei comigo o Egito, que lá
esteve representado por uma camisola verde do IV Congresso Ibérico 
de Egiptologia, organizado com grande sucesso em Lisboa em 2010, 
e um chapéu evocando Luxor, comprado a muito custo e regateio na
última viagem ao Egito metido entre dois vendedores que vociferavam
e gesticulavam a elogiar a qualidade dos chapéus. 

O Egito no Caramulo (1)


Fachada do Museu do Caramulo que possui, entre a grande variedade
de obras de arte de muitas épocas e estilos, uma pequena coleção
 de antiguidades egípcias, oferecidas por diversos beneméritos.

A exemplo dos anos anteriores, passei duas semanas de férias 
na aprazível região de Tondela e Caramulo, antes de começarem
os horrorosos e dramáticos incêndios que depois lá deflagraram, 
e de novo estive no Museu do Caramulo.

Aqui fica o anúncio para conhecimento dos interessados, e quando
lá forem visitem este agradável museu e vejam a notável coleção
de carros antigos, os belos quadros e objetos lá expostos,
e, claro, o interessante acervo egípcio.



quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Voltaremos?...


Eis o nosso guia Mustafa, com a bandeira portuguesa, avançando
para a entrada do templo de Hórus, em Edfu, à frente do grupo
de viajantes na visita do Instituto Oriental na Páscoa de 2013.

Será que a cena se repetirá na Páscoa de 2014?...